janeiro 21, 2007

"Pequena Miss Sunshine"

(Little Miss Sunshine, 2006 - Jonathan Dayton & Valerie Faris)
Pense numa família desequilibrada... Triplique o que você imaginou... Isso, os Hoover são (quase) isso! Agora, dê uma olhada na cara da garotinha de maiô vermelho da foto acima. Pois é essa menina e seu sonho de ser uma pequena miss que vai colocar todos os desajustados nos eixos. Repleto de situações hilariantes, o filme conta com a força de um elenco afinadíssimo, carismático e que parece ter realmente se divertido para construir essa fábula sobre sonhos e superações. Ah, e duvido que você consiga tirar os olhos da pequena-grande atriz Abigail Breslin: sua atuação é hipnotizante e a construção do seu personagem é tão natural que eu arrisco dizer que estamos diante de um autêntico talento da sétima arte.

11 comentários:

Gabriel Carneiro disse...

Que bom que voltou. Estava a sentir falta de teus textos. Pequena Miss Sunshine é realmente fantástico.

Harry_Madox disse...

benvindo!!

Demas disse...

Gabriel,
só mesmo sumindo assim para saber quem são os amigos-virtuais-blogueiros que ainda passam por aqui, rsrs. Sim, PMS é bom mesmo - estão aí as indicações do Oscar para confirmar.
Abração

Harry,
obrigado pelas boas-vindas, rsrs.
Vamos ver se consigo não deixar isso aqui tão abandonado.
Abração

Eduardo Miranda disse...

Demas, Miss Sunshine é um dos filmes que mais gostei em 2006. Inclusive vou revê-lo hoje na mostra de melhores do ano, da Associação de Críticos de Cinema do RJ. Gostei muito do personagem que é um professor universitário em crise porque perdeu o primeiro lugar de especialista em Proust. É bem sintomático dos norte-americanos e de grande parte do ocidente esse hábito de criar rankings em todas as esferas da vida. Tudo acaba sendo reduzido a julgamentos objetivos e perdemos a subjetividade interpretativa de cada um. Realmente adorei esse filme! Um abraço!

Wallace Andrioli Guedes disse...

Ainda não assisti Pequena Miss Sunshine mas tô achando que vai chegar forte no Oscar. Tá com cara de ser a grande surpresa da noite.
Quanto aos outros, vi As Torres Gêmeas, que é apenas bom, mas, vindo do Stone, poderia ser muito mais, e O Sacrifício, que é tão ridículo que chega a ser divertido.
Postei no blog sobre Os Infiltrados, dá uma olhada lá.

Rodrigo Azevedo disse...

Concordo com o Wallace!
Começo a aacreditar que este filme leva o oscar deste ano.

Eduardo Miranda disse...

Não acredito que leve o Oscar, mas isso não tem tanta importância quando as pessoas que gostam do filme o guardam para si. Já desisti de esperar Oscar para os bons filmes e, no final, o resultado ser sempre frustrante. Vide Crash, em 2006. Abraço!

Roberto Queiroz disse...

Adorei. Uma aula do que é fazer comédia (gênero o qual estou sempre criticando determinados diretores). A menina Abigail Breslin é simplesmente fantástica! a única criança com cara e criança no filme (o que, alíás, é mosrado de forma bastante crítica no filme). Não acho qe vale o oscar melhor filme (apesar de ter ganho o SGA), mas é uma produção estupenda.

(http://claque-te.blogpsot.com): Apocalypto, de Mel Gibson.

Demas disse...

Eduardo,
concordo com você sobre a história do tio professor: ela é bem sintomática do espírito de competição que acabar por destruir o homem contemporâneo por causa de uma bobeira.
Abração

Wallace,
pois trate de assisti-lo o quanto antes.
Abração

Rodrigo,
apesar de gostar de PMS, não acho que ele tenha fôlego para levar a estatueta.
Abração

Eduardo,
é verdade: depois de "Crash", pode-se esperar tudo (sem querer desmerecer o valor de PMS, hein pessoal...)
Abração outra vez

Roberto,
não sou fã confesso das comédias,
mas essa me ganhou.
Abração

ella disse...

Desde A vida é Bela, que o Oscar faz essas surpresas. Mas também acho que o filme não tem fôlego para o Prêmio. Bom, pelo menos com os concorrentes desse ano. Aliás, tenho uma certa implicancia com filmes "pobrinhos" premiados entre milionários. Parece caridade, além de achar que para filmes "interessantes e sem dinheiro" existe o Sundance.

Demas disse...

Ella,
até que não me importo com a coisa dos pobrinhos (hehehehe) aparecerem na festa dos poderosos.
Beijo