fevereiro 15, 2007

O segredo de Brokeback Mountain

(Brokeback Mountain, 2005 - Ang Lee)
Esqueça todas as simplificações óbvias que foram usadas para descrever esse filme. "Brokeback Mountain" trata de solidão... E para ser mais preciso, de solidão a dois, aquela que surge quando o amor assumido não consegue quebrar as barreiras que separam duas pessoas do sonho de uma vida compartilhada, sob o mesmo teto, todos os dias. Saber que a felicidade está tão próxima e não conseguir agarrá-la é extremamente angustiante. Por motivos distintos, os caubóis Ennis e Jack (Heath Ledger e Jake Gyllenhaal nos papéis de suas vidas) sofrem com essa situação por anos a fio. E ter a certeza de que tudo poderia ser diferente causa mais dor ainda. Ang Lee aborda esses sentimentos contraditórios com tanta sinceridade e delicadeza que conseguiu criar um dos filmes mais belos e comoventes a que assisti.


PS: Escrevi esse texto a pedido do Chico Fireman (idealizador da Liga dos Blogues Cinematográficos/LBC, link aí ao lado) para ilustrar as indicações dos finalistas ao Alfred 2006 (prêmio que os integrantes da LBC conferem às melhores películas exibidas no circuito comercial brasileiro). Resolvi reproduzi-lo aqui como forma de comemorar a conquista de melhor filme do ano - ao lado de "O novo mundo", do Mallick - concedida nesta noite à obra-prima do Ang Lee por 64 blogueiros cinéfilos de todo o Brasil. A "parte IV" do título refere-se ao número de vezes que o filme já apareceu no Cine Dema(i)s. Sua vitória confirma o que escrevi - no dia 2/2/06 - após tê-lo assistido pela primeira vez: "É o filme do ano".

11 comentários:

Anônimo disse...

Este é um prêmio que há muito aguardava para o Segredo de Brokeback Mountain. Um prêmio de quem entende e gosta de BONS filmes. Parabéns a todos da LBC e ao seu simples e brilhante comentário sobre o filme.

Anderson disse...

Realmente BBM é um filme já clássico, e é impressionante a sua força em retratar SIM temas gays e tbm temas mais abrangentes como a concretização do amor impossível e a fuga de uma vida infeliz. Tudo com a sensibilidade ímpar de Ang Lee. Parabéns pelo texto. òtimo o seu blog!

www.rosebudeotreno.com

ella disse...

Claro, que isso já foi dito, o filme ter se transformado num libelo gay, acho que está acima disso. A delicadeza como o tema, direção e interpretações fantásticas fazem um dos mais belos filmes de amor entre duas pessoas. É um filme belíssimo.

Demas disse...

Caro Anônimo,
"Brokeback Mountain" merecia esse prêmio mesmo. Obrigado pelo visita.
Volte quando quiser.
Abração

Anderson,
Ang Lee soube realmente levar para as telas essa grande história de amor. Nas mãos de um diretor menos sensível, não sei o que teria virado. Obrigado pela visita. Volte outras vezes: a casa é sua.
Abração

Ella,
o filme é mesmo muito mais do que um libelo gay. Acho o elenco todo muito afinido, mas Ledger, Gyllenhaal e a atriz que faz a mãe do Jack arrebentam.
BM nasceu clássico.
Beijo

Paula e Rui Lima disse...

Olá!

Como gostas de cinema vem visitar-nos em

www.paixoesedesejos.blogspot.com

todos os dias falams de um filme diferente

Paula e Rui Lima

Davi Lopes Ramos disse...

Só eu achei esquemático? Não me convenceu. Ainda assim, acho um filme acima da média, com imagens belíssimas e aquela diração bem Ang Lee: em busca do ritmo perfeito. Em termos de consistência dramática, não acho que ele tenha superado o que fez em "Tempestade no Gelo".

Marcos disse...

Muito legal seu blog, Demas... Adorei o nome das cotações, heheheh... Vou virar habitué...

Mônica Montone disse...

Oi, Demas, gostei muito daqui!!!!

Suas resenhas são claras, sem rodeios, objetivas e bem argumentadas.

Voltarei!

beijos e boa semana

MM

ps: te achei pela blogosfera, em blogs amigos ;o)

Mônica Montone disse...

Obrigada, Demas, pela gentileza da visita ;o)......... Volte sempre que quiser

beijocas

MM

Mel disse...

Solidão a dois... Ainda não tinha visto dessa maneira, mas gostei da nova perspectiva.
Gostei muito do filme.
E resolvi ficar no Casuale!
:)
Bjs

Demas disse...

Paula e Rui,
valeu pela visita.
Abração

Davi,
pra mim, é o melhor Ang Lee.
Abração

Marcos e Mônica,
obrigado pela visita.
É uma pena que vocês tenham
vindo num momento em que
a casa anda tão abandonada.
Mas isso vai mudar.
Abração

Mel,
adorei a visita.
E que bom que você continua
na blogosfera.
Beijo