maio 26, 2006

"Rosencrantz e Guildenstern estão mortos"

(Rosencrantz & Guildenstern are deads, 1990 - Tom Stoppard)
Rosencrantz e Guildenstern são chamados pelo rei Cláudio para que se aproximem de Hamlet a fim de descobrirem se ele está doido ou é um farsante. Personagens secundários da tragédia de Shakespeare, os dois amigos do príncipe dinamarquês ganham papéis de protagonistas e passam o filme conjecturando sobre coincidência e fato, sorte e azar, vida e morte, atitude e acaso, impregnando de comédia dúvidas existenciais como a possibilidade de se fugir do próprio destino. Tudo funciona bem nessa estréia de Tom Stoppard: roteiro inteligente e ágil, ambientação, figurinos, iluminação, edição, atuações brilhantes de todo o elenco, direção de atores, tudo, tudo... Mas são de Tim Roth (de quem sou fã declarado) e Gary Oldman todas as glórias: eles estão soberbos nas peles dos atrapalhados e engraçados personagens-título. O filme funciona melhor para quem conhece a peça do bardo inglês.

2 comentários:

Milton do Prado disse...

Rapaz, desencavou esse filme, hein? Lembro que uma vez eu tava de férias no Rio e todo dia marcava com minha namorada para ver esse filme, mas algo dava errado e víamos outro. Resultado, depois de 22 dias e 31 filmes no cinema, nunca vi o R e G Estão Mortos. Nem lembrava da existência hehehe.

Demas disse...

Pois procure dar um jeito de vê-lo, Milton. Abração.