maio 30, 2006

"X-Men: O confronto final"

(X-Men: The last stand, 2006 - Brett Ratner)
A idéia da cura para a "doença mutante" é muito interessante. O fato do Magneto querer se apossar da descoberta para fortalecer seu exército também é. A aparição de personagens "inéditos", idem. Por que, então, o terceiro filme da série X-Men na telona não deu certo? Parece que o novo diretor preocupou-se muito com a ação e os efeitos especiais e pouco com a personalidade, com o drama das personagens (não conheço as hqs nem as animações, mas pelo que vi nos filmes anteriores, essa questão parece ser elemento primordial na saga deles). "X-Men III" promove um desfile de novos mutantes, mas não permite que eles se apresentem para o público, apenas deixa que demonstrem seus poderes. E a cura? Por dividir opiniões entre os principais interessados, tinha tudo para render boas discussões na história do "confronto final". Infelizmente, esse gancho fabuloso foi desperdiçado e explorado sem seriedade. Uma pena!

4 comentários:

Dri (sem alma por tempo indefinido) disse...

Ótimo o seu blog, bem organizado, bem escrito. Mas devo discordar da sua nota neste aqui, eu daria pelo menos um belo sorriso para X-Men 3... Embora eu ache o segundo bem melhor, achei o terceiro bem melhor que o primeiro. Mas que vivam as diferenças! Eu daria um belo sorriso para o Wolverine também, mas isso não vem ao caso, hehehe.

Demas disse...

A.R.S., seja muito bem-vinda por essas bandas. Viva as diferenças mesmo, porque não consigo fazer mais do que aquela cara de paisagem mesmo.
Abração.

rogermk disse...

demas, não acho q o resultado de X3 tenha sido este pq Ratner tenha uma preocupação exagerada com efeitos e ação... acho q é insensibilidade dele mesmo... Singer está anos luz na frente em conseguir achar sentimento no que não é óbvio e batido sem ser sentimentalóide... e que venha SUPERMAN!

Demas disse...

Pois que venha o Superman logo, Roger.
Abração.