julho 17, 2007

"Perfume: a história de um assassino"

(Perfume: the story of a murderer, 2006 - Tom Tykwer)
"Perfume", o livro de Süskind, fez parte da minha adolescência. Impressionou-me muito a saga daquele jovem pelo odor que colocaria o mundo a seus pés. E essa história me perseguiu por anos a fio, nas conversas entre amigos sobre bons romances. E qual não foi minha surpresa ao saber que ele saltaria das págians para as telonas. Apesar da direção de arte e da fotografia deslumbrantes, a narrativa não consegue reproduzir o mesmo clima de suspense que a literatura conseguiu. As mortes se sucedem, mas não escandalizam quem assiste, não instigam. E assim, a monotonia vai se instalando na ação do filme, enquanto o assassino perfumista segue seu objetivo: produzir o perfume perfeito. Mas justiça seja feita: a cena da catarse final é espetacular. E a atriz Rachel Hurd-Wood, mais ruiva do que nunca, parece uma pintura, de tão bela.

2 comentários:

Moacir disse...

Cara, tenho a mesma relação com o livro "O Perfume" que você descreveu ter. Li há anos atrás e o citei inúmeras vezes. Adorei. E fiquei um tanto decepcionado com o vazio do filme, fora a produção de arte e os atores. Uma pena.

Demas disse...

Moa,
partindo da relação expectativa-conclusão, esse talvez tenha sido o filme mais frustrante a que assisti nos últimos tempos.
Abração